(19) 3255-1850 | (19) 996181212
campinas@alubrat.org.br

Blog

A ARTE E A CIÊNCIA DA FELICIDADE

A ARTE E A CIÊNCIA DA FELICIDADEVocê já se perguntou o que é felicidade?

Para compreendermos a felicidade em nosso mundo contemporâneo precisamos olhar as três possibilidades de a vivenciarmos. Podemos viver uma felicidade Irreal (ou falsa), podemos viver a felicidade Real (ou autêntica) e podemos também experienciar a felicidade Transcendente (ou incomum).

O primeiro tipo de felicidade é um estado de satisfação momentânea diante de algo recebido ou vivenciado no plano material, psicológico ou social. Às vezes algo irrelevante, fugaz, sem consequência maior. Porém este tipo de satisfação pode provocar muita ansiedade, temor e raiva, medo de perder ou não vir a ter aquilo que se considera como objeto da felicidade ou então de não reaver o que se perdeu. Esta forma de felicidade também suscita uma ambição ainda maior de conquista e poder, tornando assim um gerador constante de transtorno psíquicos, sociais, físicos de toda ordem, algumas vezes de severa gravidade como, por exemplo, o uso de drogas e compulsões. É uma felicidade falsa, irreal. O indivíduo fica fixado no futuro, no passado, ou no presente de forma destrutiva. Neste contexto vemos surgir comportamentos de total insanidade, justificados como meio para alcançar a suposta felicidade. Repete-se continuamente um ciclo vicioso de ações que focam somente o principio do prazer, independente dos danos que causem, tanto no plano pessoal como coletivo.

O segundo tipo de felicidade pode ser aprendido através do olhar inovador para a felicidade contemplado pela primeira vez na psicologia em 1964 por Abharam Harold Maslow, ao escrever um ensaio inédito intitulado “A Psicologia da Felicidade”. Neste texto, Maslow evidenciou a necessidade de rejeitar a definição convencional e hedonista da felicidade como um simples estado de prazer sem dor e assinalou a importância de se aprender a viver o paradoxo que é o desfrutar a vida superior e criativa e sustentar as misérias da própria vida. Alertava que se fossemos menos do que aquilo que aquilo que somos capazes, se não realizarmos nosso melhor e não desenvolvermos o que somos em potencial, seriamos profundamente infelizes.

Para Maslow a felicidade não afasta sentimentos como a dor e a inquietação. Via como privilegio, por exemplo, a inquietação que precede o ato criativo e a inspiração. Falava da alegria de se ter filhos, amigos, e amá-los, ainda que isto signifique inevitavelmente sofrer as dores deles além de as suas próprias. Para ele, a felicidade consiste justamente em incluir a adversidade com a consciência e clareza e experimentar emoções reais sobre problemas e tarefas reais, ao invés de se focar e se perder em pseudoproblemas. A felicidade é estar comprometido com uma tarefa, uma causa pela qual se acredita que vale a pena trabalhar. Maslow em suas investigações mostra que as pessoas felizes aceitam com otimismo problemas advindos das tarefas em que realmente acreditam e sentem prazer, um sentido de vocação, com aspectos positivos tanto no presente como no futuro.

A partir deste preceito criou o conceito de pessoas autorrealizadas, aquelas que usam seus talentos, capacidades potencialidades para seu próprio bem e do outro, têm uma percepção mais eficiente da realidade, maior aceitação de si e do outro, relações mais satisfatórias, espontaneidade, concentração no problema em oposição a estarem centrados no próprio ego, qualidade de desprendimento, autonomia e senso de humor.

Podemos assim dizer que este conceito de felicidade se remete à própria etimologia latina desta palavra. Felicidade vem de Felix – que significa originalmente, fértil, fecundo aquele que dá frutos. Sabemos que para gerar frutos, muitos processos e esforços da natureza são necessários. Começando pela própria perda da forma (ou morte simbólica) da semente para avançar, crescer, maturar, florescer e frutificar. Assim é a felicidade humana!

A felicidade só pode estar no agora, nem no passado nem no futuro, e estar feliz é estar comprometido com uma tarefa e com metas.

Martin Seligman, fundador da Psicologia Positiva, objetiva que a felicidade é a soma de três coisas diferentes: Prazer, engajamento e significado. Juntamente com seus pares tem trazido um contributo para a ciência da felicidade definindo esta felicidade real como felicidade autêntica.

O terceiro tipo de felicidade, a felicidade Transcendente relaciona se ao que Maslow denominou de experiência culminante. Experiências culminantes são momentos especialmente felizes na vida do individuo, são momentos de maior ampliação da consciência, momentos de êxtase de experiências além do ego. Coube definitivamente a Maslow o mérito de evidenciar estas experiências como parte da saúde do ser humano excluindo-os de qualquer hipótese patológica. Nestas experiências o indivíduo sente-se mais integrado pleno harmonizado, sente-se no auge, seguro e calmo. Usa todo seu potencial não desperdiça seus esforços. Quando usamos nossos potenciais vivemos uma profunda comunhão com a natureza com o todo.

Os grandes atletas, artistas, criadores, líderes e executivos exibem todas estas qualidades de comportamento quando genuinamente estão no auge de sua forma, presentes no aqui agora, livre de bloqueios, de barreiras.

A Felicidade Transcendente está ligada diretamente à atributos relacionados à superação, liderança, motivação, e relacionada à profunda mudança de valores após uma experiência culminante. Nota-se a emergência de valores positivos tais como solidariedade, bondade, perda do medo da morte, percepção da transcendência.

Este tipo de experiência de felicidade nos remete também aos êxtases místicos, sentimentos de bem-aventurança descritos na literatura por muitos místicos, orientais e ocidentais. A experiência culminante, a felicidade transcendente é uma experiência humana que acolhe todos os significados similares aos vocabulários religiosos e místicos sem se limitarem a eles ou se inserirem em seu sistema de crença, pois é uma experiência saudável e parte de nossa biologia subjetiva.

As experiências culminantes mais poderosas são raras. Outras menos intensas são vivenciadas por muitos de nós sem sabermos em momentos nos quais, por exemplo, contemplamos um por de sol, nos sentimos profundos envolvidos, excitados e absorvidos no mundo. O diferencial nestas experiências é sempre promoverem em nós valores construtivos positivos. Estas experiências podem durar poucos minutos ou algumas horas, não mais.

O convite da Psicologia Transpessoal é o de viver a felicidade Real e permitir-se experienciar cada vez mais momentos de Felicidade Transcendente. Uma maneira nova mais profunda de encarar e viver no mundo um novo paradigma da realidade sobre si e as situações, com uma consciência intensa e desperta, com mais serenidade e fluir.

A Felicidade Real nos permite dirigir um negócio pagar as contas e ao mesmo tempo prosseguir com a sensação de testemunhar o mundo como sentiam os místicos em seus momentos de grande contemplação: sentindo o belo, o milagroso, o poético e não meramente o limitado, reduzido ao concreto e ao comportamento, e assim promovermos relações mais harmônicas na sociedade e é sugerida como a perspectiva da criação de uma mudança de paradigma para o nível mais alto estados de consciência. Para um plano mais elevado da existência humana.

– Vera Saldanha

Deixe seu comentário

EnglishFrançaisPortuguêsEspañol

Pin It on Pinterest

Share This